Ideias para Debate

Thursday, June 30, 2005

Zimbabwe 4

Africa Reports

Mass Clearances Hit Smallest Towns
While the spotlight has been on the destruction of homes in the cities, people are being displaced all across the country.
By IWPR staff in southern Africa (Africa Reports No 37, 30-Jun-05)
Most stories about Zimbabwean president Robert Mugabe’s campaign to clear and destroy whole swathes of “illegal” housing have come out of the capital Harare and the other major city, Bulawayo.
But Operation Murambatsvina (Drive Out the Rubbish) has been countrywide, affecting small towns as well as cities.
An IWPR contributor who visited Victoria Falls in the northwest of the country heard the same kind of stories from dispossessed people now struggling to survive.
In Victoria Falls, once a major attraction for foreigners, the owner of a tourist craft village who wante only to be known as “F” told IWPR of troops in armoured vehicles destroying homes and small businesses.
“Some of you have heard about [Operation Murambatsvina] on the news, but others didn’t realise it hit our little town too,” said F.
“On a Friday, our African townships were invaded by armoured vehicles and dozens of troops with metal helmets and batons, and they burnt every single house that was not concrete – wooden houses, lean-tos, shacks – smashing windows as they went,” he said.
In particular, F told how the authorities destroyed homes built for the traditional dancers who entertained tourists who once flocked to the region. He said that five years ago, the village had paid the local council to connect it to the water and sewerage networks and build wooden houses for the dancers, who had no homes of their own.
Though they were able to halt the demolition after appealing to the council, and began repairing some of the damage, several days later the police came back.
“One of the dancers rushed to the shop to say two armoured cars and 20 police were smashing… and burning everything,” said F.
“Naturally we couldn’t get hold of the police chief or anybody in council, so we just took our truck and tried to salvage as much as we could. Now we sit with 80 or so people with no roof over their heads and nowhere to go.”
Commenting on the wider campaign of demolition he saw in the Victoria Falls area, F said, “I wept to see such utter destruction. To see thousands of homeless in this cold winter of ours, with their belongings piled up alongside somebody’s home, mattresses, blankets, furniture, stoves, fridges, wardrobes and hundreds of small children all staring wide-eyed at what was happening – it was all too sad even to describe.
“What is so sad is to buy a wooden home costs millions [of Zimbabwean dollars]. To replace the glass in windows smashed and the roofing asbestos sheets smashed – we are looking at about 80 million per home, which we don’t have.
“Why they had to smash and burn everything, nobody knows.”
F once again set about making repairs to his village, and soon everyone at least had a roof over their heads, though with some sharing. Some staff, however, had to be sent back to their rural homes, F said, and one older woman was put into a home for the elderly.
If Operation Murambatsvina continues, F fears that everyone will eventually have to return to their native villages.
“We will have no traditional village and no traditional dancing for the tourists, who we hope will return soon. Now we hear the police are chasing people away who are sharing accommodation, and even if you are staying in somebody’s kitchen you have to go.”
Eight hundred kilometres away, high in the eastern highlands on the Mozambique border, Mutare provides another case-study of the many small towns where homes have been torn down and livelihoods destroyed.
Mutare is one of the coldest areas in Zimbabwe and the Red Cross of Zimbabwe is setting up tents for the estimated 120,000 people who have been displaced there.
The Standard, an independent weekly, described how ten-year-old Takudzwa Taroyiwa died of pneumonia after spending nights in the open following the destruction of his family home by police in Mutare.
Enock Nhongo told the paper how his wife Chido also died of pneumonia, leaving behind a five-month-old baby, after her home was flattened. Nhongo said although his wife had not been feeling well, her illness worsened after she was exposed to the winter temperatures.
“My baby son is now surviving on bottled milk and sleeping in the open like us grown-ups,” he said.

Zimbabwe 3

Africa Reports

Urban Demolition Seen as Retribution
The destruction of homes in Zimbabwe’s cities is the finale to the government’s long-held plan to crush the opposition.
By Dzikamai Chidyausiku in Harare (Africa Reports No 37, 30-Jun-05)
With humour born of desperation, Zimbabweans are wryly suggesting that President Robert Mugabe, is trying to “Make Poverty History” by simply eradicating the poor through his campaign to demolish their houses.
In Operation Murambatsvina, police and soldiers have flattened the homes of up to two million of Zimbabwe’s 11 million people.
This programmed destruction is widely seen as retribution by Mugabe’s ruling Zanu PF government for losing the urban vote to the opposition, and a culmination of its five-year plan to wrest control of the cities from their elected mayors and councils.
A commission made up of Mugabe loyalists has been imposed on Harare, the capital, to replace the opposition Movement for Democratic Change, MDC, mayor and his council. This commission has overseen a collapse in city services and remained silent as police bulldozed and sledgehammered homes in the capital’s poorest suburbs.
“They can just go back to wherever they came from. We must clean the country of the crawling mass of maggots bent on destroying the economy,” said national police commissioner Augustine Chihuri.
Among the cruel ironies of Operation Murambatsvina is that many of the people now being forcibly removed to the countryside had responded to Mugabe’s call in 2000 to join the mass invasion of white-run commercial farms. Their hope that they would become the farms’ new owners was dashed when they were driven off the properties into poor city suburbs, and Mugabe’s top ministers, civil servants, military officers and judges took the properties for themselves.
Now these people are on their way back into the countryside, where there are no jobs, agriculture has collapsed and distribution of scarce food aid is controlled by ZANU PF loyalists.
With hindsight, Mugabe seems to have set the scene for Operation Murambatsvina in early March this year – prior to 31 March parliamentary elections - when he pleaded with the people of Harare to vote ZANU PF. Mugabe made the appeal at the funeral of one of his closest aides, Witness Mangwende, whom he had imposed as governor of Harare in 2003.
“What wrong have we done you, Harare? Think again, think again, think again,” Mugabe implored mourners at Heroes Acre, where politically correct loyalists are laid to rest.
Visibly agitated, Mugabe said he would not be happy to lose Harare’s parliamentary constituencies yet again to the MDC. He also said he was displeased that the town councils of Harare, Bulawayo and other major urban centres had MDC majorities.
Despite what can now be seen as an ominous warning, the people of Harare again rejected Mugabe and ZANU PF overwhelmingly in all but one of the city’s parliamentary constituencies. ZANU PF failed to win any seats at all in Bulawayo, the country’s second largest city.
It was this continued rejection, despite the presidential warning, that seems to have triggered Operation Murambatsvina.
Mugabe insists the programme aims to remove illegally built homes and trading premises, clamp down on money launderers and drug dealers, and clean up unsanitary and unsightly squatter camps.
However, the sheer vindictiveness and brutality of the destruction and forced removals suggests another motive, not least because no provision has been made for alternative housing.
Many people were given just ten minutes to vacate their houses before they were razed by bulldozers. In some homes, babies were crushed to death as the demolition squads moved in. Even buildings registered and licensed by city councils were not spared.
Cabinet members like local government minister Ignatius Chombo, who has been at the forefront of the clearances, actually inaugurated some of the same working class suburbs that have now been declared illegal and destroyed. Officially registered housing cooperatives, some with thousands of paid-up members, had long been established in the poor quarters of the cities, and Chombo and others from the government attended ceremonies to mark the laying of foundations of new dwellings funded by the cooperatives, frequently named after ZANU PF liberation war heroes.
In the Harare suburb of Hatcliff, householders paid the equivalent of four British pounds a year in rent to the Harare administration for their plots.
“The World Bank even paid for the sewerage and water services to be put in,” said the local MDC member of parliament, Trudy Stevenson, surveying the devastation left when police bulldozers moved in. “Look, you can see the remains of the piping on the ground.”
Among the legally registered buildings flattened in Hatcliff was a Catholic refuge for AIDS orphans, a secondary school, a World Bank-funded public lavatory and a Sunni mosque.
Chombo has been used by Mugabe as his key weapon to harass and undermine the authority of city councils which had fallen to the MDC.
Harare city council went to the opposition in 2000, and then in 2002 voters elected Elias Mudzuri, the MDC’s candidate, as mayor. All efforts by Mudzuri to run the city efficiently were blocked by the central government, which last year dismissed him and appointed its own ZANU PF commissioners, handpicked by Chombo, to run the capital.
Mugabe had earlier already introduced governors to oversee the affairs of Harare and Bulawayo, a move seen by residents and analysts as an early attempt to supersede mayors. Where it could not find fault with the MDC administration, as in Bulawayo, Chegutu and Masvingo, the central government withheld funding for capital projects in a bid to discredit the councils.
Mike Davies, chairman of the Combined Harare Residents Association, CHRA, an organisation grouping housing associations in both upmarket and poor districts, said, “The Mugabe government has done everything in its powers to control Harare. In so doing they are violating the democratic right of the people to elect their own people.”
Davies believes that Mudzuri’s dismissal and the appointment of hand picked commissioners showed that Mugabe had no respect for the will of the people, and he blames it for the demolition programme.
“Chombo’s commission itself is illegal according to the Urban Councils Act,” he said. “It does not have the mandate to undertake such a campaign. This whole thing is a total disregard of the rule of law. The most illegal structure in Zimbabwe today is the government.”
He said that before councils demolish houses, the act says they must first issue cessation orders, which have to be followed with a succession of further warnings about when work will begin.
CHRA has filed an urgent court application seeking the abolition of Harare’s commission, but in the meantime conditions are deteriorating. Burst water and sewerage pipes and broken street lights are everywhere, while many areas have gone months without drinkable water. Mountains of rubbish pile up on street corners following the collapse of the garbage collection system.
“Mugabe’s governors are not elected, the commission was not elected,” said Davies. “I don’t think Mugabe and his ministers care at all. They simply feel they don’t owe anything to the people. Even people with employment in the city have had their structures destroyed and been told there is no place for them here in the city and that they must go back to their rural homes.”
Professor Brian Raftopoulos, director of the Institute of Development Studies at the University of Zimbabwe, said, “The clean-up operation is an extension of the assaults of the ruling party on a sector of the population considered the enemy. The Harare commission, appointed by the responsible minister [Chombo] to do the dirty work of ZANU PF, is an absolute disgrace.
“At no time in the post-1980 [independence] period - and perhaps even before that - has the capital city been so badly run and with so little regard for the majority of its citizens.”
Dzikamai Chidyausiku is a pseudonym for a journalist in Zimbabwe

Zimbabwe 2

Mais textos sobre a situação no Zimbabwe:

Opposition Under Attack
Paranoia reigns in Harare where the government is jumping at shadows.
By Josphat Gidi in Harare (Africa Reports No 37, 30-Jun-05)
A nervous Zimbabwean government has put its opponents under siege in what analysts believe will be a futile effort to thwart swelling public fury over Operation Murambatsvina (Drive Out the Rubbish) and the current economic crisis.
Armed police forcibly broke up a public meeting in central Harare organised by the opposition Movement for Democratic Change, MDC, on June 16.
Police insisted the meeting, being held to commemorate the Day of the African Child, posed a threat to public order. Several MDC activists including some of the party's parliamentarians, as well as journalists covering the meeting, were beaten during the raid.
Analysts say further proof of the government’s mounting sense of insecurity was the reaction when University of Zimbabwe students in Harare decided to celebrate Liverpool Football Club’s victory in the European Cup. Armed riot police, assuming the students were protesting against the government, descended on the campus.
Similarly, police also broke up a meeting of university students who had gathered to elect a new leadership. Then, a few days later, they dispersed a crowd watching a local soccer match in Harare's Mabvuku township, suspecting that the event was an MDC meeting to mobilise for mass action.
"Every little thing is a cause for strong reaction from the authorities. It just shows how insecure the government feels," said Professor Brian Raftopoulos, director of the Institute of Development Studies at the University of Zimbabwe.
The MDC has threatened mass protests to force President Robert Mugabe to halt the demolition of millions of shack homes around the country.
In a show of force unprecedented since Mugabe and his ruling Zanu PF party wrested power from Ian Smith’s white government 25 years ago, armed police have in the past few weeks swooped on opposition strongholds, destroying homes and arresting more than 30,000 people, mainly opposition supporters.
University of Zimbabwe political scientist Eldred Masunungure said by publicly wielding the iron fist, Mugabe is sending a clear message to ordinary Zimbabweans about the price they will pay if they join any protest against his government.
As he scatters some two million people to the rural areas, the president is intent on banishing the biggest threat to his 25 years of autocratic rule as poverty, unemployment and mass hunger reach record levels.
"The strategy is to thoroughly terrorise the population into submission as a way of neutralising any impending mass action," Masunungure told IWPR.
Raftopoulos believes the government's high-handed approach is also an admission it does not have any solution to the deepening political, economic and food crisis. "They see suppression of all voices of dissent as a way of consolidating their hold on power. What we are seeing are the typical signs of dictatorship."
Nearly half of Zimbabwe's remaining 11.5 million people (an estimated 3.5 million have fled into exile) face starvation, partly because of poor rains last season but mainly because ZANU PF supporters destroyed agricultural production when they seized land from large-scale white commercial farmers.
International isolation of Zimbabwe's government, which intensified following ZANU PF's controversial parliamentary election victory in March, has accelerated the meltdown of an already rapidly declining economy sapped by lack of foreign aid, international investment and hard cash, runaway inflation, 80 per cent unemployment and mass poverty.
Masunungure insisted that strong-arm tactics amid worsening social and economic conditions would not be enough to silence opposition. "It can only achieve the opposite," he said. "We have seen this in other countries where governments have attempted to quell discontent by using force against the people.
"In the long run, these governments have failed and there is no valid reason to believe the government of Zimbabwe will succeed where others have failed.”
Josphat Gidi is the pseudonym of an IWPR contributor in Zimbabwe.


A situação no Zimbabwe continua a agravar-se.

Perante o silêncio de governos e órgãos de informação aqui ficam alguns endereços onde podem encontrar mais informação.

Atenção às fotos em que se pode ver o tipo de habitações que foi demolido. Não se trata de barracas, são boas casas de alvenaria. Quanto terão custado em sacrifícios aos seus desgraçados donos?


Africa Reports

Evicted Urban Poor Held in Camps
With their homes and livelihoods destroyed, the future looks bleak for the victims of the government’s mass demolition project.
By Absolom Chidzitsi in New Caledonia (Africa Reports No 37, 30-Jun-05)
Twelve-year-old Russel Magodo waits in a queue for the single pit latrine shared by 100,000 people at New Caledonia, a temporary camp about 30 kilometres from the Zimbabwean capital Harare.
The temperature is dipping towards zero in southern Africa’s short but sharp winter, and it is drizzling with rain. Russel has ended up in this camp because like everyone else here, the Magodo family have seen their home demolished on the orders of Zimbabwean president Robert Mugabe.
Mugabe turned on the poorest of the poor in late May, bulldozing, sledgehammering and burning their homes on the margins of Zimbabwe’s cities and towns before forcibly removing them to so-called “transit camps” in the countryside. These sites dot the entire country and, in another time and place, might have been described as concentration camps.
A Zimbabwean reporter for IWPR evaded armed police guards to enter New Caledonia, established on a confiscated and now unproductive commercial farm, and spoke first to Russel Magodo as he stood patiently in the 40-metre toilet queue.
Increasingly, the refugees do not bother to wait, relieving themselves in the surrounding bush and adding to the already imminent health hazards. There is no clean water at New Caledonia. For washing and drinking, the new residents have to make do with a small stream that runs past the camp.
Russel Magodo and his three sisters are among 300,000 children who humanitarian organisations estimate have been forced out of school as a result of Mugabe’s blitzkrieg on their homes in Operation Murambatsvina – “Drive Out the Rubbish” in the Shona language.
The Magodos and hundreds of others watched government bulldozers wreck their homes and trading stalls in Harare’s working class suburb of Hatcliff, before they were herded on to government trucks and taken to New Caledonia, where they live under 24-hour police surveillance.
Russel’s father, 39-year-old Tonderai Magodo, is in tears as he describes how police and officials ordered the destruction of his house. He had used the proceeds of a retrenchment package from a once-permanent job to build the home.
The houses destroyed by Mugabe’s soldiers and police are described as shacks. But “shack” is sometimes too grand a term to describe the corrugated iron, plastic, asbestos and cardboard shelters that house the majority of Africans south of the equator, covering entire landscapes.
Enter a shack and it is like walking through the looking glass. Interiors are immaculate, the dirt floors covered with lino, kitchens lined with units and gas-fired stoves, beds in the back rooms, the walls papered and lined with posters of footballs stars and religious icons. All of it - everything the owners possess from a lifetime of struggle - kept spotlessly clean by “mamas” who often spend their days working as domestic staff for better-off black and white people.
“It was a nightmare,” said Tonderai, putting the final touches to a primitive wood and plastic shelter for his young family at New Caledonia. “They demolished the house and they loaded us on to the trucks and took us here. There is no water, no school.”
The future looks bleak for Tonderai. The small food stall he ran was demolished at the same time as his house, which had brick and concrete foundations and five rooms. Police stole his entire stock, including precious cooking oil and sugar supplies.
“We are not allowed to do any business here and soon we will run out of food,” he said. “The nearest school is six miles away and there is no clinic or medical service.”
All the time, fresh arrivals are being dumped at New Caledonia and other camps after their homes have been wrecked. Women are giving birth on sheets of cardboard without medical attention.
Another New Caledonia arrival, 67-year-old Never Panganga, is diabetic but can no longer attend hospital for regular check-ups, and his medicine will soon run out. “I can’t walk seven miles [to the nearest hospital], I’m too old,” he said. “Besides I have been too busy building the shack and trying to get food.”
Pangana survives on a pension which, because of Zimbabwe’s rampant inflation, allows him to buy only one loaf of bread, a small sack of ground maize and a bottle of cooking oil each month.
He compares his present situation with the days when the white government of Rhodesia established camps called "keeps" to stop people from supporting liberation fighters. “I lived in the keeps during [Prime Minister Ian] Smith’s time. To me, it is the same life that we are living here, if not worse,” he said.
Like other people evicted from their homes, Pangana cannot understand the logic behind Operation Drive Out the Rubbish, nor does he know how or when it will end.
Most analysts believe Mugabe is punishing urban dwellers for having supported the opposition Movement for Democratic Change, MDC, in the parliamentary election in March. By driving them into rural areas he can both punish and control them.
There is no living for them in the countryside. Following Mugabe’s destruction of Zimbabwe’s mainly white-run commercial farming system, rural people are jobless and entirely dependent on food handouts, controlled through a system of chiefs and village headmen in government pay.
The situation of the people of New Caledonia is hopeless. The MDC for which they voted is nowhere to be seen, and Mugabe has banned humanitarian organisations from distributing food, clothing and medicines in the camps.
A group of Zimbabwean Catholic, Anglican and Evangelical church leaders has condemned the clearances as “dehumanising” for the whole nation. In a joint statement, the churchmen said, “A manmade humanitarian crisis has been created. People urgently need shelter, food, clothing, medicines and transport. Physically, these people suffer greatly. Deep within, a psychological scar has been created. Their essential nature as spiritual beings has been grossly denied and their humanity reduced to the rubble that surrounds them."
An aid worker based in Harare, whose organisation has been denied access to New Caledonia, said, “I have been on many missions before, but this is the first time I have seen a government doing this to its own people. Our major worry is the small children and the sick. It’s horrifying.”
Absolom Chidzitsi is the pseudonym of an IWPR contributor in Zimbabwe.

Um jovem na Independência

É verdade que este texto foi publicado no suplemento do Notícias dedicado aos 30 anos, mas talvez tenha passado despercebido a alguns e acho que merece ser lido, pelo que aqui o reproduzo.
O autor é Oscar Monteiro:


Dedicado aos jovens do bairro da minha adolescência[1]

Algures em 1973, um amigo meu médico originário de uma das colónias portuguesas que, por adesão aos ideais nacionalistas, vivia no exílio pediu para falar comigo: “tenho mais de 40 anos, não vejo o fim da guerra, os meus filhos estão a crescer, não tenho perspectivas, vou levantar os braços” e ao dizê-lo fez o gesto de rendição que é esse mesmo – levantar os braços. Fiquei atordoado. Se a história das revoluções é também feita de cansaço e preserverança, dedicação e traição, se sabemos que o tempo e desesperança podem mudar a força das convicções, não esperava isso do meu amigo. Disse-lhe apenas: não faças isso agora, olha que o colonialismo está já na sua fase final, esperaste tanto tempo, não renuncies. Tiveste a visão da Pátria independente agora tens de preserverar.

Ao dizê-lo estava a evocar duas características deste processo – visão e preserverança. Ao lado de figuras heróicas e notáveis, o que caracterizou a maior parte de nós foram duas coisas simples: ter tido a visão da independência e ao longo dos anos persistir.

Mais tarde compreendi melhor porque razão, eu e o meu amigo estávamos a ter reacções diferentes: ele exercia a sua profissão com brio mas faltava-lhe o conforto dos amigos da adolescência, dos colegas de estudo, a família, e de certo modo o estar a trabalhar para o seu povo, o seu país. Eu fora mais afortunado: estava a participar em pleno no processo, realizava as minhas actividades e participava dos sucessos e angústias de muitos mais que eram os meus companheiros. Acompanhava a cada passo os triunfos diplomáticos e de mobilização politica no exterior que era a minha tarefa enquanto representante da Frelimo na Argélia cobrindo os países da África do Norte, em seguida a Europa do Sul. A partir de 1971, embora continuando esse trabalho passei a estar baseado em Dar es Salaam e Nachingwea. Ali éramos oito a partilhar a mesma camarata. Mais de uma vez éramos acordados a meio da noite. Mabote, Chefe da Operações que voltava de uma das frentes, acendia todas as luzes e como sempre ultra motivado queria-nos contar tudo o que vira. O seu irreprimível optimismo era sempre contrariado por alguém que dizia: Mabote deixa-nos dormir, a guerra não acaba hoje.

Além das tarefas habituais cada um de nós era encarregado da formação política de um destacamento em treino—que começava pelo que cada um havia sofrido e que se designava por narração dos sofrimentos, quais os nossos objectivos, porque lutávamos, que a nossa luta não era contra pessoas, era contra o colonialismo português. Por vezes à noite havia palestras por cada um de nós sobre a área que conhecia. Recordo uma palestra sobre o conflito do Médio Oriente feita a pedido dos quadros, que não compreendiam as origens do conflito. Como a Frelimo havia treinado alguns companheiros como enfermeiros em Israel, a situação tornava-se mais confusa.

Portanto eu era parte de um processo, parte de uma organização. E a forma como a Frelimo de um grupo de pessoas se tornou numa organização merece ser contada e estudada num outro momento. Aqui quero deixar o testemunho de um momento particular que tornou possível o avanço irresistível da libertação nos anos 70 que é o da reunião do Comité Central de Dezembro de 1972. Essa reunião iniciou em 4 de Dezembro e terminou em 30 de Dezembro. Em certos momentos a reunião tomou a forma de visitas às zonas de produção e ao treino em Nachingwea. Trabalhou-se nas machamba ou na destronca. Como uma reunião pode durar tanto tempo. Havia assim tantos problemas?

Na verdade a reunião foi um momento de conhecimento mútuo da organização nos seus diversos componentes. Cada um de nós falou largamente do seu trabalho na sua área de actividade. Os responsáveis político-militares (era sempre usada a expressão politico militares para acentuar que não se tratava de militares simples, eram antes de mais militantes políticos que utilizavam uma forma de acção tornada principal que era a lura armada) das várias frentes falaram da situação nas suas zonas, como reagiam as populações, a composição social e étnica das zonas afectadas, os comissários políticos que velavam pela educação politica para evitar que a guerra desviasse para uma simples série de operações militares sem rumo nem motivação, os nossos erros, o nosso comportamento. Falaram os das telecomunicações, da logística, falaram os directores das escolas e hospitais sobre o que faziam e os problemas que enfrentavam, os quadros da informação falaram do trabalho que faziam, publicação dos boletins nas várias línguas nacionais e estrangeiras, falaram os quadros da rádio, os delegados no exterior nos países vizinhos que realizavam tarefas de apoio diplomático e logístico e outros que faziam mobilização da opinião pública em outros países, quer amigos quer os tradicionalmente aliados de Portugal. Eu, que não era membro do Comité Central, também falei do trabalho que fazia, do apoio que estávamos a receber de novos grupos de opinião. Recordo em particular a Itália, do boletim que eu editava em francês e italiano (à parution irregulière (periodicidade irregular), como recenseou uma vez uma revista africana, Jeune Afrique), dos contactos diplomáticos das conferências internacionais.

Todos os sectores eram discutidos por todos. Olhando à distância dou-me conta agora que foi esta uma reunião chave. Todos os quadros superiores da Frelimo ganharam uma visão conjunta da organização, chegaram após esse longo debate a um entendimento comum sobre o que era preciso fazer, aprenderam uns dos outros e nos seus sectores como utilizar o saber. De resto a palavra de ordem que daí saiu foi “ofensiva generalizada em todas as frentes” e não se tratou de mais um chavão: é a Frelimo que sai dessa reunião que é capaz de conduzir a fase final da luta de libertação.

Quando eu era jovem dava-se como exemplo de recordações fortes o perguntar às pessoas – o que fazias quando recebeste a notícia do assassinato do Presidente Kennedy ?: eu recordo perfeitamente. Assim também ficou na minha memória de forma gráfica onde eu estava quando recebi a notícia do golpe de Estado em Portugal. Na sequência da reunião do Comité Central de 1972 tinha sido criada a Escola do Partido. Definidas as grandes linhas, era preciso consolidar a formação dos quadros. Participavam neste curso Raimundo Pachinuapa, Bonifácio Gruveta, Eduardo Nihia, João Phelmbe, João Aleixo Malunga, entre outros que exerciam todos funções superiores e intermédias na Frelimo. Os professores eram Gideon Ndobe, Daniel Mbanze, Sérgio Vieira, Joaquim Carvalho, eu, entre outros. Dirigentes como Samora e Marcelino, Guebuza vinham dar palestras sobre temas específicos. Eu dava a matéria Política Exterior” baseado num documento de uma quarenta páginas intitulado “A Politica Exterior da Frelimo” que era o resultado dos debates da citada reunião de do Comité Central de 1972, quase um manual.

Cerca das 10 horas da manhã, havia um intervalo – as aulas começavam bastante cedo e os professores tinham uma casa de caniço e chão de terra queimada onde se encontravam. Uns recapitulavam as matérias seguintes, outros estavam de regresso às suas actividades no campo principal, ouvia-se o noticiário ( Mbanze era o especialista da BBC, sabia tudo o que se passava). Eu mexia num rádio a procurar a Rádio França Internacional e num certo momento ouço um pedaço do resumo final do noticiário:... “d´État au Portugal. Cette fois c´est pour de bon......” Ou seja “.... de Estado em Portugal. Desta vez é a sério”. A primeira frase podia ser várias coisas uma das quais golpe de estado em Portugal. A segunda tirava dúvidas. “ Desta vez é a sério” referia-se a um levantamento militar fracassado contra o regime de Salazar que tinha tido lugar meses antes quando um regimento militar havia partido da Caldas da Rainha e que ficara designada por intentona das Caldas.

Essa primeira notícia apanhara-me em Genebra onde representava a Frelimo e como porta-voz dos movimentos de libertação participava na Conferência Diplomática de Direito Internacional Humanitário que revia as Convenções de Genebra sobre o Direito Humanitário. Apresentávamos aí uma proposta de Protocolo mais tarde adoptado com o nome de Protocolo Adicional I e que consagrava o estatuto de combatentes com as garantias inerentes aos combatentes das lutas pela independência nacional. Tendo lido o anúncio num cartaz, fui assistir a uma Conferência promovida por amigos comuns sobre a situação em Portugal pronunciada pelo Dr. Mário Soares, dirigente da oposição portuguesa que se encontrava exilado em França depois de haver sido desterrado para São Tomé. No fim os amigos apresentaram-nos e ficamos a falar da situação em Portugal. “Oscar Monteiro, olhe que esta revolta das Caldas não foi a última. Mais está para vir...” Foi a primeira indicação que eu tive que algo de preciso se esboçava.

Procuramos mais notícias, entretanto chagavam os nossos camaradas alunos também com a mesma informação. Avaliamos a situação com todos os participantes no curso: a decisão foi unânime, vamos continuar com as aulas. A nossa luta não depende de acontecimentos como este, os nossos objectivos são precisos e só o trabalho contínuo e persistente nos permitiu chegar até aqui. Continuemos pois a esperar notícias e a trabalhar. Todo o mundo nos seus postos habituais.

À tarde recebemos uma comunicação de Samora pelo telefone de campanha. Ouviram a notícia? Vamos reunir logo à tarde. Partimos para o campo principal, aqueles de entre nós que eram membros do Comité Executivo (O Comité Executivo era composto pelos Presidente, Vice que era Marcelino e Chefes e Adjuntos de Departamento, eu era Secretário Adjunto das Relações Exteriores), enquanto alguns ficavam a continuar as aulas.

No Gabinete do Departamento de Defesa, reunimos com base nos dados disponíveis. Os nossos serviços de telecomunicações já nos estavam a trazer a transcrição integral e a gravação. Ouvimos repetidas vezes a proclamação dos capitães de Abril lida pelo Comandante Vítor Alves. A única frase sobre a guerra colonial era a última frase do manifesto – reconhecer que a solução da questão do Ultramar é política e não militar. Só isso.

Muito bem! E o quer isso dizer? Independência ou integração democrática no espaço lusitano? Quem eram os novos dirigentes? Um movimento de Capitães, quadros militares intermédios, não marcados por uma ligação com o regime salazarista, e por cima uma Junta de Salvação Nacional dirigida pelo General Spínola com Generais e Almirantes dos quais pouco se conhecia. Mais, nos meses precedentes, Spínola publicara um livro, chancelado pelo Estado Maior General na altura chefiado por Costa Gomes, e à revelia do Governo de Marcello Caetano, intitulado “Portugal e o Futuro” no qual defendia uma solução integracionista no qual as colónias se juntariam a Portugal numa federação. Ao mesmo tempo não se podia desperdiçar qualquer oportunidade para a paz, sem testar a genuinidade dos propósitos dos revolucionários portugueses.

Vamos dormir, disse Samora. Recomeçamos amanhã. No fim do dia as nossas ideias estavam claras: Saudamos a mudança em Portugal. Felicitamos o povo português por ter conseguido derrubar o fascismo. A nossa luta é pela independência. Democracia em Portugal e colonialismo nas colónias não funciona. E com o gosto das metáforas que fazia parte do nosso discurso político é lançada uma frase memorável: o colonialismo pode ser a coramina que faz reviver o cadáver ainda fresco do salazarismo.

Redigimos uma proposta de texto que é circulado por via rádio para os restantes membros do Comité Executivo. Jorge Rebelo difunde-o através da nossa rádio e publica-a no dia seguinte em português e inglês em Dar es Salaam, O texto fica conhecido por conhecido como Comunicado do Comité Executivo da Frelimo de 27 de Abril de 1974 e constitui, salvo erro, o primeiro pronunciamento dos movimentos nacionalistas.

'[...] Se o objectivo do golpe de Estado e o de encontrar novas formulas para perpetuar a opressão sobre o nosso povo, que os governantes portugueses saibam que se defrontarão com a nossa firme determinação [...] O povo moçambicano, que ao longo de 10 anos de luta armada heróico consentiu pesados sacrifícios e derramou o sangue dos melhores dos seus filhos para defender o principio inalienável da sua soberania como nação livre e independente, não recuar dentro diante de qualquer sacrifício para que triunfem os seus direitos e aspirações fundamentais”.

No dia seguinte recebemos um telegrama de Mário Soares já nomeado Ministro dos Negócios Estrangeiros propondo datas para um próximo encontro com a sugestão de 4 de Junho, algures na Europa em lugar a acordar. Propusemos Lusaka, em Africa é que se devem discutir as questões africanas. Agenda: aberta. Datas acordadas: 5 de Junho.

Começamos a preparação do encontro. Designa-se a equipa negocial enquanto outros ficam a assegurar o controle das operações em Nachingwea, mas Chipande, Adjunto do Departamento de Defesa vem connosco. Vem também Aquino de Bragança. Aquino era um nacionalista natural de Goa que se havia ligado aos movimentos de libertação a partir de Paris na geração de Mário de Andrade e Marcelino dos Santos. Jornalista da Revolution Africaine, jornal argelino, manifesta junto de Samora e Marcelino a sua intenção de se juntar à Frelimo por haver passado em Moçambique algum tempo antes de seguir para Portugal e França.

Esboçam-se hipóteses (hoje chamaríamos cenários), devora-se toda a informação e análises que chegam de Portugal e que Jacinto Veloso de Argel nos fazia chegar bem como de Moçambique incluindo dos nossos militantes clandestinos (Machungo, Zé Luís Cabaço, Prakash, uns em Portugal, outros em Moçambique).

Tentávamos compreender até onde a delegação portuguesa podia ir. Do lado português viriam Mário Soares, Ministro dos Negócios Estrangeiros, Otelo Saraiva de Carvalho e Vítor Machado, diplomata da Embaixada portuguesa no Malawi.

Questão simbólica era como tratar a delegação portuguesa. Por um lado eram pessoas amigas – conhecíamos o passado de Mário Soares e Otelo tinha sido companheiro de alguns de nós no Liceu, especificamente de Veloso e Jorge Rebelo, eu conhecia-o menos dada a diferença de idade mas um seu primo tinha sido meu colega. Otelo tinha pessoalmente comandado a operação militar do 25 de Abril da tomada de Lisboa e neutralização do Governo de Marcello Caetano e era uma das figuras emblemáticas da Revolução dos Cravos. A senha para o início das operações era uma canção, Grândola Vila Morena que é posto a tocar pelo nosso Leite de Vasconcelos.

Ensaiamos também a atitude: Jorge Rebelo faz de Mário Soares. Como nos cumprimentamos? Vamos a apertar a mão dizendo: “apertamos-lhe a mão por que você representa um Portugal novo, um Portugal democrático com o qual esperamos ter um relacionamento diferente”.

Em Lusaka quando entramos na sala já começa a anoitecer. O local é imponente: o State House, ou seja Palácio da Presidência de Lusaka, uma construção de dois pisos, grandes salas, a sala principal com a altura de todo o edifício, tijolo à vista, no meio de um Parque com pavões, que é ao mesmo tempo um campo de golfo. Na sala principal, num dos topos está o Presidente Kaunda com a sua figura imponente disfarçando mal o orgulho de ser o anfitrião. A seu lado, Mário Soares e Otelo.

Nós tomamos posição atrás de uma mesa – que havíamos preparado – para o tal aperto de mão. Porém quando chega à sua posição, Mário Soares surpreende todos: dá a volta à mesa, aproxima-se de Samora e diz: “Deixe-me dar um abraço”. Samora corresponde surpreendido e comovido. É o que se veio a chamar o abraço de Lusaka. Escrevi noutra ocasião que é preciso reconhecer a trinta anos de distância a grandeza e valor simbólico do gesto.

As verdadeiras conversações são marcadas para o dia seguinte: antes o Primeiro Ministro Mainza Chona convida-nos para um pequeno almoço, por sugestão do seu irmão Mark Chona que era um especialista em técnicas de negociação – de resto o primeiro que nós conhecemos com tal especialidade quando anteriormente havia estado envolvido em contactos com Jorge Jardim. Do lado zambiano estavam os Chonas e salvo erro Grey Zulu, Secretário Geral da UNIP, o Partido no poder. Do lado português Mário Soares e Otelo, do nosso lado Samora, Chissano e eu. Começamos a sentir que a delegação portuguesa estava muito dependente da evolução da situação política portuguesa de momento pouco clara para não dizer pouco favorável à independência.

À mesa das conversações confirmamos: a posição portuguesa era negociar um cessar-fogo. Samora argumenta o nosso ponto: começamos a luta para obter a independência, Portugal que aceite o princípio que Moçambique há de ser independente e haverá cessar-fogo. Datas e modalidades podemos ver mais tarde. Circulam bilhetinhos entre nós: eles não tem mandato para negociar. Estávamos nesta troca de argumentos – comecemos pelo cessar-fogo e logo a seguir negociamos quando Otelo (que mais tarde virá a escrever no seu livro Alvorada em Abril que havia sido incluído na delegação pelo General Spínola para vigiar as tendências socialistas de Mário Soares) não se contém e solta esta bomba: “eu cá não sou político, mas eles tem razão, Dr. Mário Soares no lugar deles faria o mesmo. Se continuamos assim a discutir, eu não me ensaio nada e passo para o lado deles”.

Tornava-se óbvio que a delegação portuguesa não vinha com mandato para negociar. Acordamos em discordar. Em atmosfera amena sentamo-nos com a delegação portuguesa a redigir o texto do comunicado das conversações: as delegações concordam que a continuação das negociações está dependente de questões de fundo ainda não decididas. Era uma maneira de referir a questão da independência.

O que se ganhou com esta primeira sessão? Desencadeou-se um processo irreversível. O movimento de libertação, a Frelimo, é reconhecido como interlocutor válido para a discussão sobre a independência. Ao abraçar Samora, o Governo português dava o sinal que estava a renunciar o legado da guerra colonial e que a Frelimo não era um movimento de terroristas.

Terminamos com um encontro e uma fotografia com os jornalistas que tinham vindo de Moçambique. Os jornalistas encantados rendem-se. Termina o mito do Samora enfermeiro a quem faziam ler discursos. Começa a história da fascinação entre Samora e os jornalistas.

Cada um retorna aos seus postos. A nossa acção situa-se em quatro frentes: primeiro continuar a fazer trabalho de explicação aos nossos quadros e ao povo sobre a situação; segundo, intensificar o trabalho de explicação que a nossa luta não era contra pessoas, era contra o sistema, que qualquer cidadão de qualquer cor e raça tinha lugar em Moçambique, porque começávamos a prever que o foco de resistência à independência viria da população branca; terceiro, preparar as negociações de forma cuidadosa; quarto explicar à opinião pública internacional e aos nossos amigos dos movimentos de solidariedade que a nossa recusa de aceitar o cessar-fogo não era teimosia nem extremismo mas uma exigência natural; quarto e mais importante saber o que se estava a passar em Portugal.

Durante esse período começam a manifestar-se às claras os grupos de apoio à Frelimo em Moçambique entre os quais avultam os ex-presos políticos, militantes clandestinos, estudantes da Universidade, democratas entre os quais católicos progressistas. Vários destes grupos vem encontrar a ou reencontrar a direcção da Frelimo na Tanzania, em Dar es Salaam ou em Nachingwea. São momentos de tremenda emoção.

A relação de forças começa a mudar no plano interno. Nem tudo são rosas. O Marechal Costa Gomes de quem mais tarde nos tornamos amigos procura suscitar uma Frelimo de dentro que seria legal composta de antigos militantes, uma Frelimo simpática enquanto que a Frelimo de fora, a militar, a terrorista continuaria no mato.

Começamos a preparar os dossiers: o Governo da Tanzania havia cedido uma vivenda colonial na zona de Oyster Bay onde está edificada hoje a Embaixada de Moçambique. Reunimos ali todo o material que pudemos encontrar: acordos de independência, da Argélia, Vietnam de 1954, acordos de cessar-fogo de vário tipo, estudos sobre a economia de Moçambique que nós já vínhamos recebendo e coleccionando. É nessa altura também que pedimos a Mário Machungo nosso militante na clandestinidade para voltar com mais informação económica. Ele voltará mais tarde juntamente com Pereira Leite, advogado, membro dos Democratas de Moçambique e aí nos advertem: o Banco Nacional Ultramarino controla 70% da economia de Moçambique.

O golpe de génio do momento é a decisão de Samora de procurar compreender Portugal; Aquino de Bragança tinha os contactos e a sua posição informal dentro da Frelimo permitia fazer isso. Parte par Lisboa e conhece todos os dirigentes do movimento das forças armadas e trava amizade com o seu dirigente mais notável: Ernesto Melo Antunes. Homem de grande sobriedade e rigor, Melo Antunes afirma-se como a pessoa mais importante do Movimento da Forças Armadas, o grupo dirigente da insurreição com Otelo, Vítor Alves, Vítor Crespo que mais tarde vem a ser o Alto Comissário durante a transição.

Mais ainda, começamos a acompanhar o processo em curso em Portugal: a confrontação política entre o Partido Comunista, o mais estruturado na época e o principal dirigente da resistência ao fascismo e as restantes forças políticas que levava a subalternizar a questão colonial. É nesse momento que o Movimento da Forças Armadas retoma o protagonismo que havia cedido aos generais e entra em força na vida política para forçar uma solução da questão colonial. Já não há lugar para ambiguidades. O mito do Império esboroava, o fim à guerra colonial, havia-se transformado numa reivindicação popular.

Daniel Banze e eu vamos numa missão que nos levava a vários países da Europa junto do nosso amigos para explicar a situação: não era sempre fácil. Quem faz uma revolução democrática tem à partida uma grande legitimidade e um grande crédito. Um deputado britânico trabalhista, tradicionalmente apoiante dos movimentos de libertação dispara-nos à queima-roupa antes mesmo de nos cumprimentar: quando é vocês param com essa carnificina? Ficamos atordoados, retomamos o fio do nosso discurso. Acordemos no princípio da independência, o resto vai-se resolver. Vou à BBC rádio em directo para o público britânico: mesma história. Quem propõe a paz tem sempre a posição melhor. Ora nós queríamos a paz mas queríamos a independência. Como tornar isso claro e ter a opinião do nosso lado?

Saímos dessa entrevista, há um telegrama par mim: Aquino marcou encontro com o novo Ministro sem pasta Melo Antunes que está encarregado das questões de descolonização, lugar: Holanda, local exacto a ser indicado pelo Bosgra do Angola Comité, um comité de solidariedade. Banze fica a continuar os encontros em Londres.

Sietse Bosgra era com Giuseppe Soncini, Dina Forti, Lord Gifford e Polly Gaster, um dos personagens mais notáveis da solidariedade com os movimentos de libertação. Austero e calvinista na atitude – só comíamos sandwiches durante as nossas visitas na Holanda -- , editava um Boletim “Facts and Reports” contendo todas as notícias que se publicavam no mundo sobre a luta de libertação. Bosgra obtém de empréstimo a casa de uma médica amiga do Comité, a chave estava debaixo de um certo tapete de entrada, era só chegar e entrar. Directamente do aeroporto, instalo-me e aguardo a chegada da delegação portuguesa: vem Melo Antunes, Almeida Santos que eu já conhecia de Moçambique e de quem ouvi o primeiro discurso politico na minha vida, discurso eloquente e inflamado na campanha de Humberto Delgado em 1958— que faz as apresentações e o Embaixador Cunha Rego Secretário Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros em lugar do seu Ministro impedido. Na realidade a minha missão era ouvir porque a nossa posição era clara. Tinha a posição portuguesa evoluído? A mensagem é inconfundível, Portugal está pronto para avançar para uma solução que respeite o direito de autodeterminação. A questão colonial passava agora para o primeiro plano. Concordamos imediatamente em marcar um encontro em Dar es Salaam.

No fins de Julho, vem a Dar es Salaam, Melo Antunes e Almeida Costa, do Movimento das Forças Armadas. Discutimos durante dois dias decisivos: as conversações são directas, não há anúncio público. No último dia à noite carregamos uma máquina de escrever IBM de esfera para a suite de Melo Antunes no Hotel Kilimajaro e compomos o que hoje chamaríamos de Memorando de entendimento resumindo as conversações: princípio da independência, reconhecimento da Frelimo, processo de transição, garantias de não discriminação, política de amizade. Esboçam-se as linhas do processo de transição. A nossa acção prossegue. Uma força especial comandada por Salvador Mutumuke assaltar o quartel de Namatil ou Omar como era chamado pelo exército português com as nossas armas mais modernas. O quartel é tomado sem derramamento de sangue, soldados são feitos prisioneiros.

Uma nova série de conversações tem lugar de novo em Dar es Salaam agora com Mário Soares e Almeida Santos também no State House de Dar es Salaam.

Desenham-se os mecanismos de transição: o Governo será dirigido pela Frelimo, com o Pimeiro Ministro e seis Ministros a ser designados pela Frelimo e três Ministros a ser designados pelo Governo português e que seriam os das áreas menos políticas: Transportes e Comunicações, Obras Públicas e Habitação e Saúde e Assuntos Sociais designação proposta por nós e que mais tarde intrigava o titular designado, o Dr. Paulino que um dia me perguntou: diga-me lá, você que esteve nestas coisas, o que vocês querem dizer com isso de assuntos sociais? Notável que os restantes dois Ministros designados por Portugal, Otílio Picolo e Alcântara Santos vem a optar pela nacionalidade moçambicana. Alcântara Santos, meu amigo querido e respeitado, depois de uma carreira brilhante como Director dos CFM, vem nos anos oitenta a ser nomeado Ministro dos Transportes e Comunicações e nessa qualidade perece ao lado de Samora na tragédia de Mbuzini.

A soberania ficava em mãos portuguesas: sentíamos que a solidez internacional de um Governo de Transição podia ser questionada. Importava deixar claro com quem estava a soberania internacional (os meus alunos de Direito Constitucional que me perdoem a repetição, já ouviram esta explicação!), ela devia permanecer com um Estado reconhecido na cena internacional. Mais em caso de agressão externa – tinha-se a África do Sul em mente – o Alto Comissário, representante da soberania portuguesa assumiria o comando de todas as forças. Assim à primeira vista paradoxalmente a Frelimo, depois de lutar pela independência contra o Exército português aceitava o seu comando. Direi agora que era ainda uma forma de lutar pela independência de Moçambique.

A transição com partilha de poder que implica manifestava-se ainda no facto que o exercício do pode legislativo estava repartido. Leis (neste caso os decretos-leis) eram adoptados pelo Governo de Transição mas tinham de ser promulgados pelo Alto Comissário.

Nessa altura Melo Antunes chama-nos à parte e dá a informação que Vítor Crespo que era da confiança do Movimento das Forças Armadas seria o Alto Comissário e levanta um problema grave: o MFA encarava muito mal o assalto de Namatil dado que podia ser prenúncio de uma desagregação que eles como militares e como dirigentes não podiam aceitar. Exigiam que a FRELIMO cessasse tais ataques, para o bom andamento das conversações. Concordamos como prova de boa vontade e em resposta aos passos que estávamos a dar nas negociações. Também não nos interessava essa desagregação, em todo o caso o nosso ponto estava feito.

Redige-se o grosso dos acordos nessas conversações.

Numa das noites eu acordo recordando-me das conversas sobre o BNU. Logo cedo vou ter com Samora que na altura tinha um quarto na residência de Chissano, nosso representante na Tanzania. Espero por ele na sala e proponho-lhe a inclusão de um novo ponto que vem a constituir a cláusula 16 do Acordo de Lusaka. “A fim de assegurar ao Governo de Transição meios de realizar uma política independente será criado em Moçambique um Banco Central, que terá também funções de banco emissor. Para a realização deste objectivo o Estado Português compromete-se a transferir para aquele Banco as atribuições, o activo e o passivo do Departamento de Moçambique do Banco Nacional Ultramarino. Uma comissão mista entrará imediatamente em funções, a fim de estudar as condições dessa transferência”.

O argumento é irrespondível porque um Banco Central é um instrumento da soberania económica de qualquer Estado. Mais tarde durante as negociações económicas durante a transição para a independência, a delegação portuguesa quer voltar atrás e começa a falar de transferência onerosa ou seja quer vender-nos o que já tínhamos. Tarde piaram...

Também se estabelece nos Acordos o princípio da soberania irrestrita de Moçambique, uma cláusula aparentemente redundante. O objectivo é afastar o espectro da dominação neocolonial como víramos acontecer em outras partes de Africa onde a potência colonial continuou a dominar por vezes de forma descarada. Moçambique não será como o Congo Brazzaville do Abade Fulbert Youlou ou a República Centro Africana de Jean Bedel Bokassa. Os moçambicanos não aceitariam, nem seria bom para Portugal.

A partir daí tudo se desenrola com rapidez.

Melo Antunes e Almeida Santos contam-me mais tarde que quando a delegação portuguesa vai dar relatório das conversações ao General Spínola no Buçaco, uma zona de vilegiatura perto de Coimbra, para sua grande surpresa se cruzam com os homens do Fico que era um movimento de portugueses de Moçambique que se opunham à independência e queriam manter a situação colonial. A atmosfera era de vidro. O general Spínola não queria ouvir falar de independência. Havia sido Governador da Guiné e considerava que o sucesso da sua acção psicológica havia virado os guineenses contra a independência. “Eu ganho qualquer referendo” teriam sido as suas palavras segundo Aquino.

Mas a pressão da opinião pública em particular do Movimento das Forças Armadas era irresistível. Portugal adopta finalmente a lei da descolonização aceitando o princípio da autodeterminação com todas as suas consequências incluindo a independência.

Na sequência deste encontro de Dar es Salaam vou ter ainda mais um encontro com Almeida Santos para negociar questões em suspenso em Londres no Hotel Holliday Inn no aeroporto de Heathrow com o apoio da Alto Comissário da Tanzania. O encontro passa-se bem. Para minha surpresa o Alto Comissário queria no fim que eu lhe desse um relatório das conversações antes mesmo que eu reportasse à direcção da Frelimo. Dei-lhe uma corrida. Mais tarde ainda novo encontro. Por coincidência tem lugar no dia mesmo em que se assinam os Acordos para a independência da Guiné Bissau. Encontro Mário Soares e Almeida Santos de novo para finalizar o Acordo.

Depois é Lusaka, Setembro. Apesar de as conversações substanciais terem tido lugar em Dar es Salaam, decidimos fazer a assinatura em Lusaka para homenagear a Zâmbia. O Presidente Nyerere compreende. Samora pede-lhe que indique um representante para a cerimónia da assinatura. A Tanzania baluarte do apoio africano à libertação é assim também parte da vitória.

Do nosso lado, participam dirigentes de todas as províncias – salvo, se a memória não me falha, Fernando Matavel, comandante de Manica e Sofala dadas as distâncias -- que haviam sido convocados para Daressalaam por Samora e que haviam participado na fase final da preparação. Do lado português a delegação inclui o Comandante Vítor Crespo, membro do Conselho da Revolução, que vai ser o Alto Comissário e tem uma maior componente militar dirigida pelo Tenente Coronel Lousada que vem do Comando Militar português em Nampula. Vem também o Dr. Antero Sobral, advogado liberal que integrava o governo provisório que se havia constituído quando Almeida Santos Ministro de Coordenação Territorial havia deposto o último Governo colonial e constituído um Governo Provisório composto na maioria por personalidades da oposição portuguesa democrática em Moçambique onde os advogados eram proeminentes, o que levou a chamar este Governo dirigido por um dos advogados mais proeminentes, Soares de Melo, o Governo dos Advogados. Outros advogados proeminentes como Rui Baltazar não haviam aceitado fazer parte do Governo reivindicando a sua qualidade de moçambicanos e aguardando instruções da Frelimo.

Vem também participar militantes do interior como Matias Mboa, Mário Machungo, José Luis Cabaço, Rui Baltazar entre outros.

O Acordo principal está no essencial negociado, mais ponto menos ponto. Dois pontos permanecem: a data da independência e o Acordo de cessar-fogo, com os mecanismos que assegurem uma entrega pacífica e tanto quanto possível amistosa entre as duas forças contendoras. Eu tinha pedido ao Jacinto Veloso, que de entre nós tinha a melhor formação técnica militar – tenente piloto aviador – para preparar uma proposta e é com base no seu texto que se desenrolam as discussões.

E a data? A delegação portuguesa desejava um ano, nós, seis meses. O nosso argumento era a instabilidade em Portugal. Pego num calendário e começo a contar os meses. Entre seis meses e um ano uma data me salta aos olhos: 25 de Junho, data da fundação da Frelimo – dá nove meses o tempo de gestação. Sugiro essa data timidamente. Todo o mundo concorda!

Assina-se o acordo. Discursam Samora do nosso lado e os Ministros portugueses, Melo Antunes, Mário Soares e Almeida Santos. A atmosfera é de alegria, sem excessos. De resto na foto mais conhecida altura, vê-se Samora a discursar e nós outros de olhos fechados parecendo rezar. Era o cansaço, mais do que meditação!

Uma manhã esplêndida como só o sabem ser as manhãs do Inverno austral. Um sol radioso, o ar fino, uma frescura na natureza e nas pessoas.

O Presidente Kenneth Kaunda anuncia uma recepção para essa noite. A delegação portuguesa não pode esperar parte logo durante a tarde para fazer a ligação para a Europa em Nairobi. Nós vamos trabalhar com Samora nas instruções a dirigir aos comandos político-militares e aos combatentes sobre o cessar-fogo, o significado da paz, as novas tarefas. Prepara-se também uma comunicação ao Povo moçambicano.

Quando, cerca das 19 horas, descemos para a recepção antes de Samora, já faz noite. No átrio do Palácio, um grupo de jornalistas moçambicanos vindos de Maputo e Beira, está agrupado em volta de um rádio portátil e avisa-nos: está-se a passar algo de estranho em Moçambique, o Rádio Clube de Moçambique (a actual RM) foi tomado pelo Fico, aos microfones está Gomes dos Santos, que está a apelar aos portugueses para se opor aos Acordos assinados, “proteger” as antenas da Rádio e incitar os militares portugueses à rebelião contra o Governo do 25 de Abril.

Samora convoca o único representante português, o Tenente-coronel Lousada que tinha ficado para partir no dia seguinte com os nossos camaradas para Nampula e intima-o a explicar-se. Ele pouco pode fazer, Samora exige falar com o General Spínola. Essa conversação já foi reportada e não vou estender-me sobre ela. Retenho que o Tenente-coronel Lousada batia os tacões cada vez que falava com o seu General. Samora toma o telefone, um telefone cor marfim que o Governo zambiano nos ofereceu mais tarde, hoje no Museu da Revolução e fala com Spínola. Segundo nos conta a seguir, o General Spínola fala com voz rouca, está mal da garganta, Samora exige desde logo um pronunciamento claro da sua parte, uma condenação da insurreição “branca”, “desassocie-se, General”. Spínola é evasivo, vou saber o que se passa,...

Sabendo já então da vista do Fico ao Buçaco ficamos inquietos. Não seria esta acção do Fico parte de um desígnio mais vasto de uma contra-revolução em Portugal, como haviam feito os colonos franceses ao revoltar-se contra a política de De Gaulle pela independência da Argélia?

O que fazer? Toma-se aí duas decisões históricas: manter o cessar-fogo e manter o envio dos nossos membros para o Governo de Transição nas datas previstas e enviar no dia seguinte as nossas forças para o interior. Moçambique não recua no caminho da paz, com os riscos que isso implica. O processo era irreversível, o nosso povo não iria parar. Ademais acreditávamos na palavra e no empenho dos que haviam connosco assinado o Acordo.

Samora e o grosso da delegação regressam a Dar es Salaam. Eu fico encarregado de estabelecer a ligação com Portugal. Havíamos descoberto que por um destes mistérios das telecomunicações, de Lusaka se falava facilmente com Portugal. De Daressalaam nem pensar. O Presidente Kaunda instala-nos a Mariano Matsinha e a mim no State House. No dia seguinte falo com Vasco Gonçalves, Primeiro Ministro português, que acaba de falecer nestes dias. Linha límpida, conversa clara. Comunico a nossa posição: vamos respeitar o cessar-fogo, mantemos todos os compromissos. Repito as nossas exigências: condenação inequívoca da rebelião, medidas ao nível militar. “Compreendo a vossa posição, obrigado camarada”. Obrigado nós, Vasco Gonçalves, até sempre!


Em de 13 de Setembro tomamos um avião da East African Airways, um Super VC 10, fretado pelo Comité de Libertação da OUA, dirigido pelo Major Hashim Mbita.

Destino: Lourenço Marques. Escalas: muitas. Tempo de voo: 10 anos.

Levo na pasta os Decretos de nomeação dos membros do Governo de Transição. Chissano é portador do texto que lerá e da gravação do discurso épico de Samora na tomada de posse do Governo de Transição que termina por Unidade, Trabalho, Vigilância.

Escrevo estas últimas linhas com os olhos marejados de lágrimas: Quanta saudade, Samora ! Quase vinte anos sem ti e sempre contigo.
Sendo este texto um depoimento e não um texto de historiador, posso ter omitido sem intenção nomes de protagistas relevantes.

Monday, June 27, 2005


A Lurdes Torcato comenta o texto da Otília Aquino:

O texto que a Otília enviou para este "blog" é uma grande contribuição e não devia ficar por aqui: merecia ser um CARTAZ afixado em todos os lugares públicos. Se tivesse meios para isso, eu mesmo o fazia.


Tragédia no Zimbabwe

Publiquei, no último número do Savana, a seguinte crónica:


O governo de Harare continua a realizar uma das mais terríveis operações a que a nossa zona assistiu desde há muitos anos a esta parte. Perante o silêncio cúmplice de toda a África, incluindo-nos a nós, vizinhos e com cidadãos nossos também atingidos.
Já aqui falei desta questão, mas as notícias que chegam do Zimbabwe dão conta de que a situação está cada vez mais grave e não quero ser acusado de eu próprio me ter calado como os outros.
A operação tem um nome bizarro: Murambatsvina, que em lingua local quer dizer: deitar fora o lixo. Só que neste caso o lixo a ser deitado fora são os próprios cidadãos zimbabweanos. Centenas de milhar deles, provavelmente mais de um milhão, se acreditarmos na indicação de que foram destruidas mais de 200 mil residências.
A explicação dada pelo governo é que se trata de casas ilegais porque não mandaram projecto para ser aprovado nos conselhos municipais. Imagine o leitor que se fazia o mesmo aqui e todas as casas construidas no Polana Caniço de Maputo, no Paquitequete de Pemba, no Chipangara da Beira, que não tivessem autorização do municipio fossem arrasadas com bulldozers. Casas de alvenaria, de madeira e zinco ou de materiais locais. Todas. E isto em todos os bairros populares de todas as cidades do país.
Pois foi essa catástrofe que se abateu sobre o povo zimbabweano. As autoridades deram 5 dias para que as pessoas abandonassem as suas residencias e, terminado o prazo, destruiram as casas.
E não foram só casas. Foram postos de saúde, igrejas, infantários, escolas. Alguns construidos com o apoio da comunidade internacional.
De um momento para o outro uma multidão ficou sem teto, milhares de crianças ficaram sem escolas, milhares de pessoas sem locais onde receber assistência médica.
Tudo isto em pleno inverno num país em que são frequentes as temperatures negativas.
Diz o governo que os deslocados devem voltar para as zonas rurais. Mas, ao fim de 3 anos de seca, o que é que essas pessoas vão encontrar nas zonas rurais? Fome, está bem à vista. E como é que vão ser recebidas pelas populações locais mais de um milhão de bocas extra para alimentar?
Uma das vítimas descrevia o que se estava a passar como pior do que uma calamidade natural, pior que um tsunami.
E nós aqui todos calados.
E nós aqui a fazer belos discursos sobre a boa governação em África!
Vamos continuar de boca fechada?

Estou-lhe a perguntar a si, Dra. Alcinda Abreu.
Estou-lhe a perguntar a si Dra. Luisa Diogo.
Estou-lhe a perguntar a si Presidente Guebuza.


Friday, June 24, 2005


Da Otília Aquino recebi este texto, que acho lindíssimo:

Já passam 30
Tão poucos...mas tão pesados

Mais ou menos atentos ás questões de soberania, mais ou menos interessados até essa data , a verdade é que fomos tomados há 30 e poucos anos por esta febre a que posso chamar de entrega, envolvimento, participação. Foi construir o sentido e o orgulho de uma nacionalidade.

Escrever sobre os 30 anos, deve ser feito por quem o sabe fazer. Espero ler de outros aquilo que eu gostaria de ter tido capacidade de escrever. Anseio ouvir de outros, resumos que me possam fazer sentir incluída nesses textos. Penso que muitos de nós já o fizeram ou estão para o fazer.

A minha intenção é somente debruçar-me sobre a minha muito pessoal forma de ver, sentir e reagir aos anos, aos caminhos, ás alegrias e tristezas, aos momentos e ás épocas, a tudo o que foi este caminhar de 30 e poucos anos.

30 anos se passaram. A febre já não é tão alta. Mas mantém-se. Continua. É como que vital para se prosseguir. Não há maneira de se viver sem a entrega. Muitas vezes mais adulta, mais capaz de analisar e equilibrar, o envolvimento tantas vezes questionado por se querer só ver uma forma deste acontecer, a participação tão importante e necessária, mas tão vista como um apêndice que pode ser ou não utilizado.

Muito do que eram os nossos hábitos se desgastaram, alteraram e outros morreram. Alguns são hoje somente uma penosa saudade.
Sei que as mudanças têm que acontecer. São parte da vida. Mas o degradar só acontece porque deixamos que aconteça. Porque além de se deixar se planificou o degradar. Não há explicação credível para o estado actual de coisas.

Como se pode aceitar afirmações de necessidade de desenvolvimento e participação quando se deixou chegar o nível da educação e de desenvolvimento individual, ao mais baixo?
Como ensinar uma criança sobre o que é um jardim, se os que temos ainda com um pouquinho de verde servem de grandes latrinas, caixas de lixo e albergues para malfeitores?
Como exemplificar o que é uma escola com casa de banho, água corrente, luz, carteiras, pátio para descanso, jardim e sobretudo professores (não sanguessugas pedindo todos os dias lanche ás crianças, obrigando os pais a pagar por cada nota, abusando sexualmente dos alunos), se elas só existem para alguns, para aqueles que tentam ainda educar os seus filhos em lugares limpos e agradáveis, e que podem suportar o valor altíssimo desse “ luxo”.

Como explicar que pão não se vende na rua? Que investir na sua saúde individual, no asseio e na educação é investir numa vida melhor? Como explicar...fazendo?

Quando se deixará o discurso para se começar a agir? Quando começaremos a agir?

Quando se começará a dar a impressão que é possível haver um futuro. Que a vida não acaba agora. Que o individuo tem direito a sonhar com um amanhã?

Por vezes a desesperança assalta-nos de forma abrupta e faz-nos pensar na idade, nas doenças, na necessidade de pensarmos um pouco mais em nós próprios e na urgência de prepararmos o nosso futuro. Este assalto vem acontecendo mais assiduamente do que há uns anos atrás, e o seu tempo de “estadia” tem-se estendido por mais e mais dias. Não sei como fazer um combate real aos assaltos, para que esse combate traga resultados e que minem a vitalidade e capacidade de infiltração da desesperança.

O mau gosto, a falta de ética, a incultura é uma das componentes mais vívidos no nosso dia a dia. Para além destes o pisar, a finta e o golpe baixo constam do manual de vida de muitos dos nossos colegas, vizinhos, conhecidos e governantes. Felizmente ainda não corroeram o grupo de amigos.

O principio de dois pesos duas medidas entrou em nós com uma facilidade vertiginosa. É também praticado por quem de outras zonas geográficas é oriundo e consoante o local em que vive altera também a forma de actuação. Instalou-se e por aqui ficou. Parece a mataquenha. Aquela que já é tão difícil de tirar que nos vai corroendo e infectando o dedo, depois o pé...e por aí acima.

Como conseguir ser coerente, tendo ao mesmo tempo tantas dúvidas e querer tanto ver os planos/sonhos a funcionar?

Estou convencida que apesar de me deixar assaltar, a minha desesperança não me levará para o mesmo lado dos muitos que á minha volta pululam em grandes luxos. Luxos muito pouco resultantes de trabalho e seriedade. Estou certa que a desesperança, mais ou menos infiltrada não me fará negar os principios. Que seguirei por um caminho dificil mas interiormente compensador. E também espero poder daqui a alguns anos sentir-me feliz. Feliz por ter trabalhado e tentado na minha estreita área de acção fazer o melhor. Mesmo que inexplicavelmente tentar fazer-se o melhor signifique ser-se visto como incómodo.

Parece que somos vistos como um caso especial. O que me orgulha muito. É verdade que conseguimos fazer algumas coisas bem feitas. Mas a componente do caso especial que vejo que deve ser reverenciada é sobretudo a do cidadão comum. É esse que aguenta o que mais ninguém aguenta. É ele que divide no hospital a cama com mais 2 doentes. É ele que para o seu filho ter acesso á tão propalada educação tem que pagar a um inútil que não faz mais que estragar. É o cidadão que paga 5.000 MT no chapa e ainda tem que aceitar que o cobrador viaje em cima dele.

Algo terá que ser feito. O nosso fôlego tem que ser readquirido.

São poucos os anos de actividade que me restam, no entanto penso que mais que há 30 anos atrás o nível de trabalho e de influência tem que crescer. É importante que se tente a cada passo influenciar para o melhoramento. É necessário uma atenção especial ás crianças e aos jovens. É neles que poderemos ainda semear a semente que poderá germinar no futuro.

Não esperemos por amanhã. Façamos agora, tentemos pelo menos, para que amanhã se verifique algum resultado.

Otilia Aquino
23 de Junho de 2005

Tuesday, June 21, 2005

Relatório do FMI

Lá do distante Ghana, por onde desenvolve a sua actividade, o Roberto Tibana não deixa de estar atento à nossa realidade. Aqui vai um comentário dele sobre o relatório do FMI sobre Moçambique:


Já há algum tempo que não tenho dado notícias. Espero que as que seguem sejam uteis:

1. Penso que o que vai em anexo foi publicado no suplemento WallStreet do nosso Savana duas semanas atrás. Envio para benefício de quem quiser ter em fomato electronico (com pequenas revisões).
2. Para aqueles que se interessam pelas analises do FMI o relatório mais recente saiu no dia 25, e' o Country Report No. 05/168 que se encontra no seguinte endereco: . Tem coisas interessantes, e.g.:

1) A economia continua a crescer satisfatoriamente (PIB crescendo a 8%), mas isso só reflecte o efeito de dois ou três mega-projectos (MOZAL e Gas);

2) O combate contra a pobreza continua com os conhecidos grandes sucessos na redução da pobreza absoluta medida pelas famosas estatísticas da linha da pobreza, MAS há problemas sérios pois as avaliações existentes indicam que as coisas, a andarem como andam, os Objectivos do Desenvolvimento do Milenio (abastecimento de água, mortalidade infantil, mortalidade materna, malária, e igualdade entre géneros), não serão atingidos em Mocambique;

3) O maior banco (BIM) tem um bom desempenho, é lucrativo e continua a cumprir com todas as normas prudenciais (o que na minha opiniao só faz justica às afirmações persistentes do seu PCA de que as coisas naquela casa, não estão a andar tao mal como muitas vezes se pretende afirmar); no entanto o banco (que foi infeliz na heranca das desgraças do BCM) continuará sujeito a um regime especial de supervisão com escrutínios diarios pelo Banco de Moçambique até à aprovação do próximo relatório de contas auditas;

4) A primeira tranche da recapitalização do Banco de Mocambique (o nosso banco central, o tal que faz o escrutínio apertado do BIM!) deve realizar-se durante este primeiro semestre e vai custar uma emissão de obrigações do tesouro, a taxas de mercado, que devem ser transferidas imediatamente para o Banco de Mocambique para reforçar o seu activo, e estas medidas vão continuar nos próximos três anos; a primeira tranche vai ser de 1.5 triliões de Cs de MTs (isto anda à volta de $50-$60 milhões), e pela primeira vez a verba está inscrita no Orçamento do Estado. Para aqueles que têm acompanhado a saga isto significa que finalmente se reconheceu oficial e publicamente aquilo que se pretendia fazer à revelia (até Novembro do ano passado o Governador do Banco de Mocambique dizia publicamente que não haveria emissão nenhuma!). Isto abre caminho para passarmos agora para o segundo capítulo da saga pois a grande questão que se coloca é se no passado emissões com tal fim, ou outros semelhantes, nunca teriam tido lugar (mas isto não é, obviamente objecto do relatório);

5) O Banco de Mocambique em 2004 continuou a intervir fortemente no mercado cambial e monetário em geral e os custos foram muito elevados (alguma surpresa?! - Era ano de eleições!), mas agora entrou na fase de leilões desde Fevereiro (com a ajuda de um tecnico do FMI sentado lá no Banco de Mocambique - esperamos que quando a coisa sair mal não venham dizer que não foram eles que aconselharam);

6) Houve um descarrilamento fiscal que é justificado por uma série de razões entre as quais o atraso dos contribuintes em pagar (sim, temos que fazer a nossa parte também!), a apreciação do Metical que fez baixar a base tributária em Meticais representada pelas importações (culpa de quem? quem mandou eles fortificarem artificialmente o Metical como fizeram, e ainda por cima a grande custo para os nossos exportadores?); a folha de salários do Governo vai ter que ser tratada: têm que se elimiar os improdutivos e pagar melhor aos que realmente fazem trabalho a valer - (a ver vamos!) ;

7) Ainda no Banco de Moçambique as coisas não estão muito bem nas áreas de auditoria, controlos internos e custos administrativos que o relatório diz que têm que ser reduzidos (alguma surpresa?!);

8) As taxas de juro estão a descer, mas o spread é ainda muito elevado, reflectindo limitações estruturais no mercado como as dificuldades que existem na colaterização (isto vem ligado com a questão do regime da terra que o governo diz que um dia vai tratar mas por enquanto é questão politicamente sensivel!), e de funcionamento do sistema juridico que não garante que os contratos serão cumpridos ou que haverá medidas efectivas para recuperação de créditos em caso de não cumprimento, bem como a existência de ainda um bom quinhão de crédito mal parado na nossa banca (só que o relatório não diz nada sobre aqueles empréstimos que são feitos lá na Marginal!) ;

9) O judiciário continua a ser visto como um dos grandes elos fracos de todo o sistema de governação (alguma surpresa?!)

10) O governo manisfestou intenção de um dia vir a publicar os resultados do estudo sobre a governação/corrupção em Moçambique (esperemos para ver, esta promessa já vem dos outros tempos!);

11) A área de estatísticas tem que dar mais avanços, mas a coisa mais séria parece estar lá no Banco de Moçambique onde a conversão de elementos do balanço para as estatísticas monetárias resultou em que elementos que foram enviados ao FMI no passado têm que ser revistos;

12) O relatório sugere que durante a missão os técnicos do FMI olhem muito de perto para o encaminhamento dado aos dinheiros que estão a ser pagos ao Governo de Moçambique pela Companhia do Vale do Rio Doce pelos direito de Moatize. Em Novembro de 2004 foi paga a primeira tranche de $123 milhoes (2.2% do PIB), e tão doce é esse dinheiro que foi logo colocado numa conta especial no estrangeiro, conta essa em que o Banco de Moçambique age como agente (confiemos, eles são os banqueiros do governo). Aparentemente a luta agora é integrar os saldos e movimentos dessa conta no conjunto das contas monetárias e fiscais, e garantir que vai ser usado para o desenvolvimento económico e social. Assim, parte dele vai financiar sistemas de abastecimento de água e seis pontes ($24 milhões em 2005, $16 em 2006, e $9 em 2007); não se sabe ainda o que será do resto, e onde serão construidos estes sistemas de abastecimento de água e pontes (espero que pelo menos deixem a maior parte destas coisas lá em Tete!).

E mais, e mais.... para quem quiser ler no relatorio. Pena que deste mais não venha uma discussão das implicações da apreciação do Metical para o sector das exportações, sendo que a minha questão é:

Terá valido a pena sacrificar os produtores das exportações para atingir uma apreciação de mais de 20% que só encorajou o consumo das importações que se tornaram mais baratas e assim agravou a balança comercial?

E terá valido a pena fazer isto através de uma politica cambial e monetária cujos custos, como o próprio relatório diz, são muito elevados e terão que ser cada vez mais repassados para o Orçamento (i.e., para o pobre contribuinte e para os doadores que financiam o OE)?

E terá razão o Banco de Moçambique para hoje vir a público vilificar os exportadores acusando-os de serem uma das causas da recente depreciação do Metical por aparentemente estarem a fazer uma retenção das suas receitas em moeda externa? E se o estiverem a fazer, não estarão no seu direito de fazer o jogo que lhes esteja disponivel para defenderem os seus recursos contra este tipo de políticas?

Que efeito terá isto para a banca que tiver financiado uma parte das operações dos exportadores que foram "queimados" nisto tudo, e que terão agora que renegociar o pagamento dos créditos?

Por outras palavras, não virão estas políticas do nosso banco central a agravar ainda mais a situação constatada de uma porção ainda substancial de crédito mal parado na banca comercial?

O relatório está disponivel na internet como indicado acima para quem quiser ler, mas não se iludam pois isto não é documento de tomar o que diz no seu valor facial. Há muito entre linhas e você tem que ter uma certa audácia em ler a lingua franca de Washington.

E também é preciso notar que muito do que se diz não é necessariamente posição oficial do Executivo do FMI, mas sim análises dos seus tecnicos.

Também encontrarão no conjunto dos documentos as cartas ao FMI assinadas pela então Ministra das Finanças e pelo Governador do Banco.


Roberto Tibana

Se tiver tempo, consulte o Country Report No. 05/168 que se encontra no site do IMF no seguinte endereco:
Subject: Noticias: 1) Percepcoes de Corrupcao - Evidencia Kaufmann 2005; 2) Relatiorio mais recente do FMI sobre Mocambique

Os 100 dias

O Quitério Langa mandou o seguinte texto:

Sobre os 100 dias de Guebuza

Sinceramente gostava de ter participado na palestra que proferiu na escola Anarkaly, onde foi fazer uma análise sobre os 100 dias do governo de Armando Guebuza. Gostava porque acho que muitos dos argumentos que o Machado apresenta são interessantes para um aceso debate sobre algo muito actual que é a governação do nosso país, principalmente quando esta resulta de um processo de mudança.

Já que não pude participar na palestra, procurarei discutir as suas ideias sobre o tema tomando alguns elementos do seu texto para responder a proposta de debate que nos apresenta.

É analisando o processo de mudança que o Machado inicia o seu texto, e sugere que quem propôe a mudança, neste caso governativa é a oposição, pois quem está no poder propõe a continuidade. Sobre a questão que o Machado levanta, da razão da proposta de mudança aparentemente absurda, apresenta como resposta, o facto de ser notório o descontentamento popular com o nível de corrupção e criminalidade a que o país tinha chegado, entre outras.

Suponho que a ideia de mudança proposta pelo governo do Guebuza está ao nível dos procedimentos de governação, dos quais o elemento mais importante a ser realçado seja a ética governativa. A mudança neste caso não tem necessariamente que vir de fora, pois ela não é de origem ideológica, se é que existem diferenças ideológicas entre os nossos partidos políticos.

Se existe um elemento comúm nos manifestos eleitorais de todos os partidos que concorreram às eleições de Dezembro de 2004, é o facto de todos eles terem proposto ao eleitorado mudanças. Cada um a sua maneira argumentou a necessidade de mudanças, mas se nos perguntarmos quais os argumentos que levaram a que as propostas de Guebuza fossem as mais votadas pelos eleitores que foram às urnas, provavelmente não fiquemos satisfeitos, pois em nada diferiram as propostas de Guebuza de todas as outras.

Sob este pressuposto, a ideia da mudança proposta por Guebuza, é anterior às eleições, e neste quadro de ideias ela não é absurda, pois enquadra-se numa visão generalizada de que o partido que saísse vencedor naquelas eleições não tinha outra alternativa senão adoptar como princípio de governação a mudança, que no caso Guebusiano é na minha análise por uma ética governativa. As razões para a emergência da tomada deste modelo de governação são evidentes e recorrentes.

O que acho na realidade ser um absurdo, pelo menos na manifesta vontade de estabelecer uma visão de ética governativa, é a diferença de postura do governo comparada com a dos parlamentares da Frelimo. Se o partido partiu para um processo de mudança, existem sectores resistentes. Enquanto se percebe um esforço do governo por estabelecer uma visão sincrónica da realidade social, os parlamentares insistem em que se deve continuar a perspectivar uma visão diacrónica.

A ética governativa caro Machado eu não a entendo como um mote de mobilização, como um instrumento de construção de credibilidade do programa de governação que o novo governo nos apresenta, que para o seu sucesso assistimos a acções entusiásticas dos actuais governantes na procura de edificação de uma nova figura do governo. Eu entendo estes procedimentos como um processo de edificação de novos mecanismos de controlo social. Proclamando uma sociedade em crise, cujos desaires atribui-se aos vícios que se instalaram no funcionamento das instituições do Estado, o novo governo procura garantir o seu sucesso corrigindo a acção daqueles que são o garante do funcionamento destas instituições.

Quem olha para o funcionamento das instituições do Estado a quem lá encontra? Gente pobre e instrumentalizada pelo poder. Quem olha para o funcionamento das escolas e dos hospitais a quem lá encontra? Gente pobre e instrumentalizada pelo poder. É interessante que é para estes que o governo direcciona a sua visão de ética governativa, por isso é que o Machado refere que se assiste a medidas corretivas nos níveis baixos do aparelho de Estado. Os níveis mais altos caro Machado? Os cargos de governação e toda a sua cadeia decrescente é formada por cargos de confiança.

As crises que vivemos são sempre crises sociais, nunca são crises de governo, este pelo contrário apresenta sempre soluções, o governo no nosso caso é sempre aquele que corrige os males da sociedade, e nunca a causa. A corrupção gera pobreza, a criminalidade gera instabilidade, e por aí em diante, e estes são males que o governo apresenta como males sociais e não de governação. Assim é como vejo que se está edificando o novo sistema de governo, criando novos mecanismos de controlo social e de instrumentalização daqueles que instrumentalizados garantiram sempre e garantem com sucesso todos os governos e programas de governação, afinal nos últimos trinta anos ninguém tem memória de um governo que tenha saído mal sucedido após o fim do seu mandato.

É um debate em aberto.

Quitério Langa

Monday, June 20, 2005

João Ferreira dos Santos

Recebi da Inês Miotti o seguinte texto:

Os jornais, recentemente veicularam informações em como o grupo João Ferreira dos Santos estava a passar por uma fase de grandes dificuldades económicas.
Também apareceram opiniões em como o Estado deveria socorrer financeiramente a empresa, que é totalmente privada.
Varias considerações se depreendem.
Primeiramente, ainda não há um estudo que determine porque motivo essa empresa privada terá chegado à actual situação. Terá sido deficiente gestão? Terão esvaziado a empresa com motivos bem definidos? Os preços do algodão, que tiveram uma forte caída, poderão ter contribuído a aumentar as dificuldades? Nada sabemos do assunto.
O Estado em cada ano já auxilia um sem numero de empresas onde o Estado detêm participações, com pagamentos de salários em atraso, indemnizações diversas, despesas varias, etc., e ainda existe uma lista de outras que esperam na “bicha” para receber esses subsídios. Durante o ano de 2004 saíram assim vários milhões de dólares americanos de fundos públicos para esse efeito.
Segundo essas propostas aparecidas nos jornais, agora o Estado não somente deverá disponibilizar avultadas somas de dinheiro para o sector empresarial do próprio Estado, que está todo ele em grandes dificuldades financeiras, senão também para socorrer às empresas inteiramente privadas.
E de onde sairão esses fundos? Do orçamento do Estado que é alimentado pelo exterior ao nível de 50%? Ou seja, que se pedirá ã comunidade internacional para que ainda contribua para salvar a má gestão dos empresários privados moçambicanos?
Terá o Estado moçambicano que solicitar créditos ao exterior para esse efeito?
Como o artigo jornalístico manifesta, o Estado moçambicano já ajudou o grupo João Ferreira dos Santos comprando-lhe títulos da dívida moçambicana por valores muito superiores aos por ele pago no mercado internacional.
Também o Estado moçambicano já assistiu com grandes somas de dinheiro aos bancos da praça, na fase das privatizações. Ainda o Banco Austral detém Obrigações do Tesouro dos quais cobra regularmente juros.
Acho que a proposta de ajuda a esta empresa privada foi feita num momento de emoção e sem grande reflexão.
Penso que deverão encontrar-se outras vias para solucionar os problemas das empresas privadas.

Um observador atento

Saturday, June 18, 2005


O Custódio Duma respondeu ao meu comentário:

Caro amigo Machado

Acabei de ler o pequeno comentário que fez ao meu texto: Um Legado Viciado.
Na verdade quero dizer é que não considero o texto muito pessimista. Nem eu sou. Pelo contrário, procuro a cada dia encontrar o meu verdadeiro lugar como actor social e poder fazer a minha parte, para que um dia, como você diz no seu texto sobre os 30 anos, possa firmar: Valeu a Pena!
Acredito sim no desafio que a minha geração tem, mas procurei enfocar alguns dos problemas que considero venenosos para a construção de uma sociedade sustentável.
Procurei reler o texto buscando essa dose de pessimismo, pelo contrario encontrei uma forte chamada de atenção e à razão, para que a minha geração e as futuras superem as outras gerações, trabalhando na construção de um mundo melhor, como diz Hannah Arendt, um mundo que: “não pode ser construído apenas para uma geração e planejada somente para os que estão vivos...mas que...deve transcender a duração da vida de homens mortais”. (A Condição Humana, pág 65)


Do amigo Custódio Duma recebi o texto que publico abaixo. Texto de grande pessimismo. Pois, amigo Custódio, não considera os males que indica como uma fatalidade e sim como obstáculos que a vossa geração vai ter que enfrentar e vencer. A geração a que você pertence tem ainda umas dezenas de anos à sua frente para mostrar o que vale.


Custódio Duma*

Tive ontem a última aula de uma cadeira da pós-graduação e um dos colegas, sabendo que eu era estrangeiro, pediu que posássemos numa foto para a posteridade.
Foi um momento muito curto, mas muito emocionante.
Contudo o mais interessante nisso, foi o facto daquele momento lembrar-me que, mais do que um estrangeiro em outro país, no nosso próprio país também somos passageiros, ou se quiserem: neste mundo somos todos passageiros, uma vez que não vivemos para sempre.
E perguntei: qual o legado que deixamos para a posteridade?
O que os moçambicanos criam e deixam para as futuras gerações? Relembrando que estamos celebrando os trinta anos da independência do país, o que essa idade significa e quais são as aprendizagens tidas disso?
Sou muito jovem e nasci depois da independência. Mas posso afirmar que vivi momentos impares que muitos sonharam presenciar e não puderam. Vivo um momento do mundo em que o tempo passa tão rápido e corre numa velocidade mais acelerada. Vivo numa altura em que os acontecimentos não dependem de nada para se darem.
Em menos de trinta anos assisti à queda do Muro de Berlim, à unificação das duas Alemanhas e ao adormecimento do socialismo comunista.
Testemunhei o fim do Apartheid na África do Sul, regime que ainda era a única forma legal de segregação racial e ao mesmo tempo vergonha de África.
Vivi as independências da Namíbia e Timor Leste, tidas como fim do colonialismo para África e liberdade para o último país de expressão portuguesa.
Presenciei a passagem para o outro milénio. Acontecimento inédito, acompanhado de vários misticísmos e objeto de famosas profecias com idade acima de mil anos.
Vi o surgimento de animais clonados e presenciei a maior e a mais sofisticada técnica de manipulação genética para todos os efeitos possíveis. Vivo numa época em que já não se duvida de qualquer transplante que se imagine em corpo humano.
Vi lágrimas nos olhos dos grandes. Vi na maior potência mundial o medo e a insegurança, escondidos na sua arrogância de dominar o mundo por meio de um imperialismo moderno que não conseguiu impedir a queda das torres gémeas.
Vivo num momento em que o mundo é realmente uma aldeia, onde as fronteiras físicas não têm efeito nenhum na vida das pessoas. Um momento em que o próprio mundo é virtual e onde tudo é possível e permitido.
Assisti à morte de um Papa e à eleição de outro Papa. Vivi diferentes momentos da mesma igreja e diferentes pensamentos do mesmo mundo. Vivi também a morte de vários líderes políticos de calibre internacional e testemunhei a queda de diferentes regimes e a transição para novas ideologias políticas.
Assisti ao surgimento das maiores epidemias da humanidade e, ao mesmo tempo, à hipocrisia do mundo em aceitar partilhar para uma vida melhor em todos.
Assisti à legalização do aborto, da eutanásia, da marijuana e de casamentos homossexuais. Vi o homem a ultrapassar o seu limite físico temporal e espacial.
Testemunho uma altura do mundo em que o homem declarou-se completamente materialista e consumista. Numa altura em que a mídia molda a opinião publica e onde o senso de um punhado de potências é o mais correto.
Vivo numa altura em que presencio a morte de valores absolutos para dar lugar à liberdade de expressão física, espiritual e emocional das pessoas. Vivo o real momento da humanidade em que o conceito da pessoa humana é fortemente negado e desprezado. Um momento em que o homem é objeto da riqueza que acumula e sua respectiva vítima.
Vivi momentos que Sócrates e Nostradamus não viveram e, se calhar, gostariam. Assisti coisas que Platão e Alexandre Magno jamais imaginariam. Presenciei momentos que Galileu sonhou, provou e o profeta Daniel predisse nas Sagradas Escrituras.
Em pouco tempo me auto-declaro maior viajante e maior testemunha do tempo e do universo. Superei em grande todos os meus ancestrais e consegui ver o mundo na maior das dimensões preditas por filósofos e profetas.
É nesse testemunho atemporal tão rico e singular, que me inquieto com o futuro e indago o legado que deixamos para a posteridade. Pois apesar de não terem vivido nem imaginado o nosso mundo, os nossos antepassados deixaram pra todos nós um incomparável legado. Um legado de Paz, de Justiça, de Amor e de Progresso!
Diferentemente deles nós parecemos viver para hoje e não para o amanhã. As nossas atitudes estão cada vez mais viradas para o nosso próprio ego e não propriamente para a construção de uma sociedade que subsista ao longo dos tempos. Ignoramos a fragilidade do homem, das sociedades e do meio ambiente em sobreviver os perigos que criamos.
Conseguimos com os atuais sistemas políticos criar dirigentes corruptos, uma elite de coiotes burgueses que pregam a justiça vestidos de sangue. Cada político é cada vez pior que o outro. Vozes aparecem, graças a eleições que parecem justas e prometem combater a corrupção que eles mesmos criaram. Como é possível uma casa combater-se a si mesma? Não estará ela destruindo-se?
Com dirigentes políticos pouco exemplares, sócios de tudo que se chame empresa e de alguma forma ligados ao crime organizado e ao contrabando, que sociedade pretendemos construir e que legado procuramos deixar para a posteridade.
A mídia que devia servir de moderador e educador, papel que lhe é conferido pela historia da sua existência, mostra-se cada vez aliada à classe opressora e burguesa. Tenta-se criar um jornalismo de entretenimento aos políticos no poder, usando a parcialidade como instrumento.
A comunicação social não é mais aquele veiculo de informação e educação cívica. A corrida pela riqueza levou a que esse poder divulgasse só para vender. O sexo, o crime e o feio são temas de qualquer canal ou jornal. Deformando a mente do cidadão que passou a aceitar esses factos como normais e próprios da sociedade. Quanto mais se divulga sobre isso mais crescem os índices de HIV, da Criminalidade e da insegurança.
O professor que tinha o papel de contribuir na formação do homem do amanhã, ele mesmo perdeu o norte. A leitura e a investigação não mais fazem parte do seu dia a dia. Não são poucos os professores que, nas escolas ou universidades, continuam usando para a aula, planos de cinco ou de dez anos atrás. Alguns até trazem os seus cadernos de tempos de aluno. A cor castanha dos materiais antigos prova os fatos.
O professor não está informado, não produz novas mentalidades nem contribui na revolução social, corre atrás do dinheiro que vai gastar no álcool ou no bordel.
Isso tudo leva a que o cidadão não conheça o seu lugar na sociedade e nem participe na vida da polis. Não conhece seus direitos nem entende que estão sendo violados. A Constituição não lhe diz nada e a política é uma atividade de certa elite, aceitando assim a exploração e a corrupção como factos normais e incombatíveis.
Os outros atores sociais não perdem o tempo. Dizem-se ativistas de direitos humanos, advogados, lideres sindicais, dirigentes de ongs só para viverem à custa da miséria do povo não colocando nenhuma semente na terra, que brote para a posteridade. Não estão comprometidos com a causa, que realmente desconhecem e fingem combater a pobreza que na verdade fomentam para não perderem o emprego.
Os líderes religiosos, transformaram-se todos naquela escumalha de fariseus e publicanos que Jesus sempre criticou, são verdadeiras sepulturas, cobertas de branco por fora e escondendo no seu interior a maior podridão.
Hoje, ninguém mais sente a dor de ver gente morrendo de fome. A criança que vive na escada do nosso prédio não comove ninguém. A ação social passou a ser de outros. Cada um empurra para o outro e ninguém ajuda. A sociedade aceitou de bom grado a miséria e a pobreza. O homem aceitou de bom grado a sua própria decadência como ser.
O pior de tudo é que há todo um empenho na degradação e destruição da natureza e do meio ambiente. Hoje não se fazem os estudos de impacto ambiental. Se forem feitos são absolutamente ignorados. Há uma forte preocupação de ganhar mais dinheiro em prejuízo da própria vida.
Podia citar e comentar muitas outras questões, contudo acredito que ninguém ignora esses fatos. É importante que a gente pense também no amanhã, pois se os nossos ancestrais tivessem adotado a mentalidade que hoje temos o mundo já teria terminado.

Tenho dito


Friday, June 17, 2005

Voa a Galinha?

Caro Machado

Após várias tentativas frustradas de colocar um comentário ao seu texto sobre Jacob Zuma, lhe envio o mesmo por e-mail na esperança de o ver publicado.
Machado da Graca, uma vez mais se revela o seu olhar atento para a realidade política em que se circunscreve o país. Parabéns.
Quanto à questão do ESM apenas uma achega: COMO É QUE A GALINHA PODE VOAR SE NÃO TIVER A CABEÇA? Ou seja, como podem uma sociedade e os seus constituintes sonhar sem dirigentes que concretizem essa liberdade de sonhar?
Aqui na RAS, a participação da juventude (principalmente a estudantil) na vida política é impressionante. A forma aberta como se debatem os projectos de governação e o papel da juventude dentro desses projectos é uma realidade que pude presenciar em algumas das reuniões da "Youth ANC". Daí concordar com o ESM quanto à existência de um projecto de sociedade.
O meu ponto de vista é que a aproximação da YANC e de outras alas, partidárias ou não, ao projecto de Zuma (mesmo conhecendo as suas fragilidades) é mais um cartão vermelho ao estilo de governação pouco eficaz e um projecto desfalcado de objectivos sociais claros que Zuma apresenta e implementa. Uma coisa fica clara em todo este processo, há pelo menos o embrião de um projecto político sério na RAS. Um projecto que se pretende claro, credivel, executavel e passivel de avaliação (do ingles"Accountability").
O ponto que coloco é: até que ponto é claro, credivel e executavel este projecto no nosso país? Qual o papel da sociedade (para não dizer juventude) na contrução deste projecto e na avaliação do sucesso na implementação do mesmo?

Nelson Maximiano
Cape Town