Ideias para Debate

Friday, February 10, 2006

MEDO, SIM

Tenho andado a saltitar de blog em blog, por causa das caricaturas. E decidi transcrever aqui o artigo que publico no SAVANA de hoje.
Depois de o lerem poderão perguntar: Estás com mêdo?
A resposta é: Sim, estou.
Nem sequer é um mêdo pessoal, na medida em que moro longe do centro da tempestade. Mas é o medo do que pode acontecer se forem desencadeadas as forças da catástrofe guerreira.
E recordo que os principais fabricantes de todo o tipo de bombas também vivem geográficamente longe do local onde elas podem vir a ser usadas.
O Norte de África e a Europa estão ali muito mais perto.

A CAMINHO DE UMA

GUERRA?

Aquilo a que estamos a assistir, nos últimos tempos, com centro no Médio Oriente, começa a ser bastante assustador.

Em vez de assistirmos a um desanuviar das tensões estamos, pelo contrário, a vê-las crescer de forma cada vez mais dificil de controlar.

Neste momento já estão colocadas no tabuleiro da política internacional uma série de peças que só podem oferecer maus presságios:

. Na Casa Branca um George Bush aventureiro, amigo de guerras;

. Na Palestina um movimento terrorista tomou o poder;

. No Irão um dirigente moderadamente progressista foi substituido por um fanático religioso;

. Em Israel o governo e os militares continuam iguais a si próprios;

. Na Europa uma provocação grosseira, feita em nome da liberdade de imprensa, pode ser o pretexto para fazer chegar o lume à pólvora.

Se não fossem as acusações do costume de que eu perfilho teorias da conspiração, diria que está tudo a correr de forma demasiado certa para ser por acaso.

Num momento em que a questão das instalações nucleares do Irão está para ser levada ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, podendo conduzir a medidas graves contra aquele país, incluindo uma intervenção militar, a questão das caricaturas de Mahomed, que seria ridicula noutra altura, aparece a incendiar opiniões e a provocar resistências que só podem afastar mais as pessoas que seria importante serem aproximadas.

Com uns a berrar que houve heresia e outros a berrar que têm direito à liberdade de informação, talvez nem uns nem outros percebam que alguém os está a empurrar para uma guerra destruidora que ninguém sabe onde pode parar.

Na região Israel tem, praticamente de certeza, armas nucleares. E, no seu fanatismo, é capaz de as usar.

O Irão talvez ainda não tenha, mas ninguém sabe ao certo.

Os Estados Unidos, e os seus aliados, têm, muitas. E George Bush tem dito que, se achar necessário, as usa. E, desde a invasão do Iraque, ficámos a saber que tipo de coisas ele pode achar necessárias e que tipo de decisões ele está preparado para tomar. E, não esqueçamos, o Irão era o segundo estado daquilo a que ele chamou o “Eixo do Mal”, logo a seguir ao Iraque.

Uma amiga minha dizia, há dias, que parece que estamos nos anos 30 do século passado contando as espingardas para a guerra que vinha aí.

Só que, agora, as coisas podem não se fazer com espingardas e as consequências podem ser demasiado desastrosas. Para todo o mundo e não só para os malucos envolvidos.

Porque, se a guerra envolver o Médio Oriente, não julguemos que, aqui ao longe, nos ficaremos a rir. A simples catástrofe energética que é ter em guerra a zona do mundo principal produtora de petróleo já é, só por si, um pesadelo aterrador.

Procuremos, portanto, na nossa pequena capacidade diplomática, deitar água na fervura e não gasolina nas chamas.

Não entremos em berraria contra as heresias ou contra os atentados à liberdade de imprensa. Procuremos que as pessoas falem, de forma calma, umas com as outras, sem ser aos gritos e com punhos no ar.

Creio que o mundo está, neste momento, a caminhar sobre uma camada muito fina de gelo. Desatar aos saltos pode ser um direito inalienável de qualquer um, mas pode ser também uma forma de nos afogarmos todos.

Uma guerra devastadora não serve os interesses dos povos do Médio Oriente. Só pode destruir ainda mais as suas já frageis economias.

Os únicos hipotéticos beneficiários são os do costume: os fabricantes de armamento. E, principalmente, aqueles que andam a construir bombas nucleares há mais de meio século sem nunca terem tido a oportunidade de as deixar cair em cima de ninguém, após os aterradores exemplos de Hiroshima e Nagasaki. E as bombas que enchem os arsenais de hoje fazem pensar nas duas que explodiram no Japão como meros brinquedos.

Como pode imaginar, leitor, eu desejo muito estar enganado nas previsões que faço nesta crónica. Totalmente enganado.

Mas que estou a ficar muito preocupado, não posso negá-lo.



4 Comments:

Post a Comment

<< Home